Novo estudo revela maior taxa de suicídio do mundo entre tribo brasileira 5 junho 2014

Os Guarani sofrem taxas muito altas de suicídio e violência por causa do roubo de suas terras
Os Guarani sofrem taxas muito altas de suicídio e violência por causa do roubo de suas terras

© Fiona Watson/Survival

Um novo estudo chocante revelou que uma tribo brasileira sofre a maior taxa de suicídio do mundo. Em 2013, pelo menos 72 Guarani Kaiowá do estado de Mato Grosso do Sul cometeram suicídio, uma taxa que quase triplicou nas últimas duas décadas. A maioria das vítimas têm entre 15 e 30 anos de idade.

A notícia segue confrontos violentos entre indígenas e a polícia em protestos nas vésperas da Copa do Mundo da FIFA no Brasil.

Os Guarani perderam a maior parte de suas terras que agora estão ocupadas por fazendas e plantações de cana-de-açúcar, e seus líderes são frequentemente atacados e assassinados. Expulsos de suas terras, os Guarani estão vivendo em condições precárias nas beiras de estradas ou em reservas superlotadas onde tem altos níveis de alcoolismo, doenças, violência e suicídio.

Um homem Guarani disse, “Não têm futuro, não têm respeito, não têm trabalho e nem terra pra plantar e viver. Escolhem morrer porque na verdade já estão mortos por dentro.”

Coca-Cola, um dos principais patrocinadores da Copa do Mundo, está implicada no escândalo de roubo de terra que traz miséria e morte para os Guarani. Coca-Cola tem estado comprando açúcar da gigante alimentícia estadunidense Bunge – que por sua vez está comprando cana-de-açúcar de terras que foram roubadas dos Guarani.

Numa carta para Coca-Cola, os Guarani instaram, “Queremos que a Coca-Cola sinta-se conosco a realidade da nossa dor e sofrimento porque a cana-de-açúcar está acabando com o futuro das nossas crianças. Pedimos que [a empresa] pare de comprar açúcar da Bunge.”

A imagem da Coca-Cola e FIFA foi contrastada com um homem indígena zangado instando, 'Deixe os Guarani viverem!'
A imagem da Coca-Cola e FIFA foi contrastada com um homem indígena zangado instando, 'Deixe os Guarani viverem!'
© Survival International

Para destacar a profunda ironia da promoção da Coca-Cola e FIFA da Copa do Mundo com a imagem de um índio feliz com a mensagem ‘Bem-vindos à Copa de todo mundo’, Survival criou um anúncio de paródia com Nixiwaka, um índio Yawanawa dando as boas-vindas ao ‘Lado Sombrio do Brasil’ e instando ‘Deixe os Guarani viverem!’

Nixiwaka, da Amazônia brasileira, disse hoje, “Coca-Cola está contribuindo à destruição e miséria dos indígenas Guarani, pois está comprando açúcar de uma companhia que compra cana-de-açúcar de terras que foram roubadas dos Guarani. Sua imagem do índio sorridente não demostra a situação real por detrás da câmera’. Deixe meus parentes Guarani viverem!”

O diretor da Survival, Stephen Corry, disse hoje, “Expropriar a imagem de um índio brasileiro é um passo audacioso da Coca-Cola, dada sua implicação no escândalo das terras dos Guarani. Essa não é a primeira vez que imagens de tribos são usadas para promover o turismo para um país onde os cidadãos indígenas estão sendo sistematicamente perseguidos. Os visitantes para a Copa do Mundo precisam saber que os primeiros povos do Brasil estão pagando o preço do boom da economia.”

Notas para editores:
- baixe o anúncio de paródia ‘Bem-vindos ao lado sombrio do Brasil’
- segundo as últimas estatísticas publicadas pela ONG CIMI, a taxa de suicídio entre os Guarani Kaiowá de Mato Grosso do Sul é de 232 por 100.000
- veja o website da Survival sobre ‘O Lado Sombrio do Brasil’ para mais exemplos do abuso dos direitos indígenas no Brasil
- Centenas de manifestantes indígenas contra a Copa do Mundo se chocaram com a polícia semana passada, devido a vários projetos de lei controversos que enfraqueceriam drasticamente seus direitos.
- Baixe as cartas dos Guarani para a gigante alimentícia estadunidense Bunge e Coca-Cola (pdf, 1.8MB)

 

Compartilhe este conteúdo

 

Mobilize-se agora para ajudar os os Guarani

Seu apoio é fundamental para a sobrevivência dos Guarani.

Envie um email para a Presidente Rousseff

Cadastre-se

Receba um email mensal com notícias sobre povos indígenas:

Registre-se para receber nosso feed de notícias:

 

ou acompanhe-nos pela rede:

Arquivo de notícias