Organizações indígenas rejeitam chamados para contatar forçosamente tribos isoladas

Jakarewyj, um dos índios mais recentemente contatados, criticamente doente pouco tempo depois do primeiro contato em dezembro de 2014.
Jakarewyj, um dos índios mais recentemente contatados, criticamente doente pouco tempo depois do primeiro contato em dezembro de 2014.

© Survival International 2015

Organizações indígenas de América do Sul têm condenado como “perigosas e ilegais” as declarações dos antropólogos americanos Kim Hill e Robert S. Walker, sugerindo o contato forçado com tribos isoladas altamente vulneráveis.

Em uma carta aberta, organizações indígenas do Brasil, Peru e Paraguai contestam a ideia dos antropólogos, publicado em um editorial da revista Science, de que tribos isoladas são “inviáveis”, e advertem que “este mito perigoso é usado por aqueles que desejam invadir e explorar terras ancestrais dos povos indígenas.”

Em vez disso, as organizações indígenas salientam que as verdadeiras ameaças ao futuro das tribos isoladas são a violência genocida, a invasão e roubo de suas terras e as atitudes racistas.

Dentre os signatários está a organização Aché FENAP do Paraguai. No editorial, Kim Hill e Robert Walker referem-se ao “contato bem sucedido” de várias dezenas de Aché do Norte, porém não mencionam o fato de que 38% da população já havia morrido como resultado do primeiro contato. Agora os Aché estão processando o Paraguai por esse genocídio histórico.

Aché depois do primeiro contato em 1971.
Aché depois do primeiro contato em 1971.

© A. Kohmann/Survival

Com esta carta, as organizações indígenas juntam-se a Survival International, o movimento global pelos direitos dos povos indígenas, em sua rejeição das propostas de Hill e Walker – assim como inúmeros índios da Amazônia que já se manifestaram contra o contato forçado.

Em julho de 2015, as organizações indígenas AIDESEP e FENAMAD divulgaram um comunicado dizendo: “Desaprovamos qualquer chamado ou ato que pretende impor um modo de vida que é rejeitado pelos nossos irmãos em isolamento e contato inicial.”

Davi Kopenawa, xamã Yanomami e Presidente da Hutukara Associação Yanomami, disse, “Os lugares onde os índios isolados vivem, pescam, caçam e plantam devem ser protegidos. O mundo inteiro precisa saber que eles estão em sua floresta e que as autoridades devem respeitar seu direito de viver ali.” Os Yanomami estão pedindo que o governo expulse os garimpeiros ilegais que estão ameaçando a sobrevivência dos Yanomami isolados dentro de sua própria floresta."

Tribos isoladas são os povos mais vulneráveis do planeta. Todas estão sujeitas à catástrofe a menos que suas terras sejam protegidas. Na carta as organizações pedem que Robert Walker e Kim Hill “apoiem o direito dos povos indígenas a permanecer em suas terras sem a intrusão de estranhos.”

Leia a carta.