Propagação de ‘safaris humanos’ ameaça indígenas isolados no Peru

Os índios Mashco-Piro têm sido deslocados de sua floresta por madeireiras ilegais e a exploração de gás e petróleo.
Os índios Mashco-Piro têm sido deslocados de sua floresta por madeireiras ilegais e a exploração de gás e petróleo.

© G. Galli/Survival

No Peru, a tribo de índios isolados dos Mashco-Piro corre perigo de ser explorada por ‘safaris humanos’, de acordo com o jornal britânico The Observer.

No mês passado, a Survival International lançou fotos detalhadas da tribo, de forma a chamar a atenção à importância de protegê-la de qualquer tipo de contato não desejado.

Os Mashco-Piro vivem no Parque Nacional de Manú no Peru, o qual é extremamente popular entre os turistas, e avistá-los tornou-se mais recorrente no último ano.

Madeireiras ilegais e os projetos de extração de gás e petróleo na área os têm forçado a deslocarem-se do interior das florestas às margens dos rios, onde são mais visíveis aos barcos que aí circulam.

Agora, de acordo com o The Observer, os Mashco-Piro poderiam tornar-se vítimas de uma nova ameaça – os ‘safaris humanos’; um escândalo primeiramente denunciado pela Survival International no arquipélago indiano das Ilhas Andamão em 2010.

Uma investigação pelo The Observer revelou que alguns inescrupulosos guias de turismo, que trabalham no Parque de Manú, estão tentando lucrar dos avistamentos dos indígenas.

O jornal tem evidências de que algumas operadoras de turismo têm oferecido ‘pacotes de turismo feitos à medida’, onde os turistas teriam ‘sorte’ o bastante para avistarem os ‘nativos isolados’.

O caso apresenta uma semelhança perturbadora com o escândalo dos ‘safaris humanos’ nas Ilhas Andamão. Contudo, as organizações peruanas estão agindo rapidamente para evitar tal situação.

As autoridades peruanas e a organização indígena Fenamad estão instando os residentes locais a se manterem longe da tribo, e também, estão instalando um posto de guarda para prevenir que intrusos façam qualquer tipo de contato indesejado.

Eles também estão trabalhando em parceria, de forma a garantirem que os madeireiros ilegais sejam presos e a terra dos indígenas seja protegida.

O Diretor da Survival International, Stephen Corry, disse hoje, ‘É claro que nem todas as operadoras de turismo fazem os ‘safaris humanos’, e é reconfortante saber que algumas delas reconhecem o perigo que entrar nessa área representa aos turistas e aos Mashco-Piro. Porém, os operadores oportunistas definitivamente precisam ser expostos, uma vez que encorajar os turistas a ‘verem’ os Mashco-Piro é extremamente irresponsável, e potencialmente fatal.’