Líder Guarani, estrela de cinema, assassinado 3 dezembro 2013

Em 2008 o Ambrósio compareceu à estréia do filme 'Terra Vermelha' no Festival de Cinema de Veneza
Em 2008 o Ambrósio compareceu à estréia do filme 'Terra Vermelha' no Festival de Cinema de Veneza

© Survival International

Líder indígena Guarani e estrela de cinema Ambrósio Vilhalva foi assassinado na noite de domingo, depois de lutar durante décadas pelo direito de sua tribo de viver em sua terra ancestral.

Ambrósio teria sido apunhalado na entrada de sua comunidade, conhecido como Guyra Roká, no Mato Grosso do Sul. Ele foi encontrado morto em sua casa, com vários ferimentos de faca. Ele havia sido repetidamente ameaçado nos últimos meses.

Ambrósio estrelou como a personagem principal no filme premiado Terra Vermelha, que retrata a luta desesperada dos Guarani para a sua terra. Ele viajou internacionalmente para falar sobre a situação da tribo, e para pressionar o governo brasileiro para proteger a terra Guarani, como é legalmente obrigada a fazer.

Policiais examinam o corpo do Ambrósio dentro de sua casa.
Policiais examinam o corpo do Ambrósio dentro de sua casa.

© Osvaldo Duarte/Survival

Ele disse: ‘Isto é o que eu mais quero: a terra e a justiça… Vamos viver na nossa terra ancestral; nós não vamos desistir’.

Os Guarani de Guyra Roká foram despejados de suas terras há décadas por fazendeiros. Durante anos eles viviam na miséria na beira da estrada. Em 2004, eles retomaram parte de sua terra ancestral, e vivem agora em uma fração de seu território, mas a maioria foi liberado para enormes plantações de cana de açúcar. Um dos principais proprietários de terras envolvidos é o poderoso político local José Teixeira. Os Guarani ficaram com quase nada.

Ambrósio falava apaixonadamente contra o plantio de cana de açúcar nas terras de sua comunidade, e contra a Raízen, empreendimento conjunto entre a Shell e a Cosan, que usava a cana de açúcar para a produção de biocombustíveis. A campanha de sua comunidade com a Survival International forçou a Raízen a não usar cana de açúcar cultivada em terras Guarani.

Plantações de cana de açúcar (vermelho) ocupam a maioria da terra ancestral (linha amarela) da comunidade de Ambrósio.
Plantações de cana de açúcar (vermelho) ocupam a maioria da terra ancestral (linha amarela) da comunidade de Ambrósio.

© Tribunal Popular

Um porta-voz Guarani falou para a Survival hoje, ‘Ambrósio lutou muito contra a cana de açúcar. Ele foi um dos nossos líderes principais, sempre na frente da nossa luta, então ele foi ameaçado. Era uma liderança muito importante na luta dos Guarani, e agora, perdemos ele.’

A polícia está investigando o assassinato, e dois suspeitos foram supostamente detidos.

O diretor da Survival, Stephen Corry, disse hoje, ‘Os Guarani têm uma das maiores taxas de homicídio do mundo e o roubo da terra está na raiz de toda a violência. Apesar disso, o processo de demarcação de terras está parado – as autoridades estão fazendo pouco para confrontar os fazendeiros que tomaram a terra ancestral da tribo. Quantas mortes mais os Guarani devem sofrer antes de seu território estar mapeado e protegido?’

 

Compartilhe este conteúdo

 

Mobilize-se agora para ajudar os os Guarani

Seu apoio é fundamental para a sobrevivência dos Guarani.

Envie um email para o Presidente Interino Michel Temer

Cadastre-se

Receba um email mensal com notícias sobre povos indígenas:

Registre-se para receber nosso feed de notícias:

 

ou acompanhe-nos pela rede:

Arquivo de notícias