Peru aprova projeto de gás, desastroso para índios isolados

Índios Nanti isolados poderiam ser dizimados pela detonação de milhares de cargas explosivas na sua terra
Índios Nanti isolados poderiam ser dizimados pela detonação de milhares de cargas explosivas na sua terra
© Anon

Peru aprovou a altamente controversa expansão do projeto de gás de Camisea na terra de tribos amazônicas isoladas, apesar de indignação internacional, a demissão de três ministros, e a condenação das Nações Unidas e organizações internacionais de direitos humanos .

O Ministério da Cultura do Peru, encarregado de proteger a população indígena do país, tem aprovado planos dos gigantes de petróleo e gás Pluspetrol (Argentina), Hunt Oil (EUA) e Repsol (Espanha) para detonar milhares de cargas explosivas, perfurar poços exploratórios e permitir que centenas de trabalhadores inundem a Reserva Nahua-Nanti, localizada a 100km de Machu Picchu.

A expansão poderia dizimar as tribos isoladas que vivem na reserva, já que qualquer contato entre os trabalhadores de gás e os índios provavelmente resultará na propagação de doenças ou epidemias para as quais os índios não têm imunidade.

Pluspetrol reconhece o impacto devastador que a expansão poderia ter. No seu ‘Plano de Contingência Antropológico’ a empresa afirma que todas as doenças transmitidas por trabalhadores podem causar ‘períodos prolongados de doenças, mortes em massa, e, no melhor dos casos, longos períodos de recuperação.’

Protestos foram realizados em todo o mundo contra os planos de expandir o projeto de gás de Camisea na floresta amazônica do Peru.
Protestos foram realizados em todo o mundo contra os planos de expandir o projeto de gás de Camisea na floresta amazônica do Peru.

© Survival

Quando a gigante de petróleo Shell começou a exploração na área, levou à morte de quase a metade da tribo Nahua. Um homem Nahua contou, ‘Muitas, muitas pessoas morreram. Pessoas morriam em toda parte, como peixe num riacho envenenado. Pessoas foram deixadas para apodrecer ao longo de margens de córregos, na floresta, em suas casas. Essa doença terrível!’

O projeto viola as leis peruanas e internacionais, que exigem o consentimento de todos os projetos realizados em terras dos povos indígenas.

No ano passado, protestos foram realizados em todo o mundo para deter a expansão de Camisea, e mais de 131 mil apoiadores da Survival enviaram uma mensagem ao Presidente Humala do Peru exigindo a suspensão do trabalho de petróleo e gás em terra de tribos isoladas. Hoje, Survival entregou a lista dos milhares de assinaturas da petição para a embaixada peruana em Londres.

Como resultado da campanha pela Survival, organizações locais AIDESEP, FENAMAD, COMARU, ORAU, e outros, para parar a expansão, os testes sísmicos não vão mais acontecer perto dos rios, e o lugar de um poço foi transferido da terra de uma tribo isolada.

O diretor da Survival, Stephen Corry, disse hoje, ‘Trinta anos atrás, os trabalhadores de prospecção para o depósito Camisea penetraram profundamente no território do povo Nahua, e logo depois, metade da tribo foi dizimada por gripe e doenças similares. O governo peruano realmente não aprendeu nada com a história? Está preparado para arriscar que isso aconteça novamente por causa de mais alguns poços de gás?’