Índios da Raposa Serra do Sol

Fazendeiros brutais fazem grilagem de terra indígena

Os povos da Raposa Serra do Sol estão sob ataque de fazendeiros violentos.

Ataques violentos abalaram suas comunidades conforme o Governo do Estado se recusa a cumprir a lei.

Mobilize-se agora ↓   Faça uma doação →

Os povos Makuxi, Wapixana, Ingarikó, Taurepang e Patamona vivem numa terra chamada Raposa Serra do Sol, no norte do Brasil, na fronteira com a Venezuela e a Guiana.

Makuxi vestindo trajes de paishara, Raposa Serra do Sol, Brasil
Makuxi vestindo trajes de paishara, Raposa Serra do Sol, Brasil
© 1996 Fiona Watson/Survival

É uma região de beleza espetacular de montanhas, florestas tropicais, savanas, rios e cachoeiras. O território é de aproximadamente 1,7 milhões de hectares e abriga cerca de 23.000 índios.

Apesar de terem contato com pessoas de fora por mais de dois séculos, os índios mantêm seus idiomas e costumes.

Muitas comunidades dirigem seus próprios projetos de educação e saúde e criaram várias organizações para defender seus direitos e ajudar a executar seus projetos.


‘Nenhum povo é melhor que outro.’

Dois índios de Raposa-Serra do Sol, Jacir José de Souza e Pierlangela Nascimento da Cunha, falam com a Survival sobre suas terras e suas vidas.

Ameaças mais recentes

Após anos de campanhas lideradas pelo Conselho Indígena de Roraima (CIR), Survival e muitas ONGs no Brasil e em outros lugares, Raposa Serra do Sol foi homologada pelo então presidente Luis Inácio Lula da Silva em 15 de abril de 2005.

Houve muita comemoração a este marco, conforme o território foi objeto de uma campanha violenta por fazendeiros e colonos para impedir que os índios o recuperassem.

Nas últimas três décadas, mais de vinte índios foram mortos e centenas feridos durante a incansável luta dos índios para recuperar suas terras ancestrais.

Um grupo de arrozeiros, apoiados por políticos locais, travaram uma guerra contra os índios, usando táticas cada vez mais violentas, atirando e ferindo pelo menos dez índios, queimando pontes para evitar que os índios entrassem ou saíssem de sua terra, e jogando uma bomba em uma comunidade.

O governo do estado de Roraima apresentou uma petição no Supremo Tribunal do Brasil, contestando o reconhecimento oficial do governo federal com respeito à terra indígena Raposa Serra do Sol e exigindo que ela fosse reduzida em tamanho.

Cerca de 23.000 índios vivem lá e dependem da terra e dos rios para sua subsistência, mas os seis fazendeiros e políticos locais afirmam que eles são obstáculos para o desenvolvimento do estado.

Finalmente, em 19 de março de 2009, em uma decisão histórica, a maioria dos juízes do Supremo Tribunal confirmaram aos índios os direitos às suas terras, advertindo que o território fora demarcado de acordo com a Constituição e que o seu tamanho e fronteiras deveriam ser mantidos.

Os juízes também afirmaram a importância de manter os territórios indígenas como áreas contínuas e afirmaram que os territórios nas fronteiras do Brasil não representam um risco à soberania nacional.

Um líder Makuxi, Jacir José de Souza, do Conselho Indígena de Roraima (CIR) disse: ‘A terra é nossa mãe. Estamos felizes que [a nossa terra], foi recuperada e que o Supremo Tribunal vindicou os povos indígenas.’

‘Agora nós temos o direito de pescar em nossos rios de novo, sem medo de ser baleado pelos pistoleiros dos fazendeiros’, disse outro líder Makuxi.

Modo de vida

Os Makuxi, a maior grupo que vive na Raposa Serra do Sol, acreditam que eles e seus vizinhos, os Ingarikó, são descendentes dos filhos do sol, que deixaram para seus descendentes o dom do fogo, mas também as doenças e as dificuldades da natureza.

Homem fazendo telhado com palha de buriti, Raposa Serra do Sol

Homem fazendo telhado com palha de buriti, Raposa Serra do Sol
© 1994 William Milliken/Survival

Os povos indígenas aqui caçam, cultivam e pescam. Alguns criam pequenos rebanhos de gado na região de cerrado e também têm outros animais domésticos.

Durante os longos meses de verão seco, eles caçam, pescam nos rios que não secaram, e visitam as aldeias vizinhas. Esta é também a época quando constroem e reparam suas casas, que fazem a partir do barro, madeira e folhas de palmeiras.

O inverno, de maio a setembro, é um período de chuva forte, tornando impossível a prática de muitas das suas atividades realizadas no verão.

Comunidades variam muito em tamanho, e são baseadas em laços de matrimônio e família. Famílias extensas caçam juntas, mas cada uma cultiva suas próprias culturas e cria alguns animais domésticos para uso pessoal.

A história recente

Desde o século XVIII, os povos indígenas da Raposa Serra do Sol têm lutado por seus direitos à terra contra várias ondas de invasões violentas, colonização e tentativas de reassentá-los. Apesar de todas as disputas, eles conseguiram se manter em sua terra ancestral.

Pecuaristas ocuparam sua terra no século XX, estabelecendo grandes fazendas que eram rotineiramente patrulhadas por homens armados que submetiam os índios a muita violência- pelo menos 20 índios foram assassinados nas décadas de 80 e 90.

Crianças Makuxi em Uiramutã, Raposa Serra do Sol

Crianças Makuxi em Uiramutã, Raposa Serra do Sol
© 1996 Fiona Watson/Survival

Garimpeiros também invadiram ilegalmente o território, de prospecção de ouro e diamantes. Isso resultou na poluição dos rios e tensões com as comunidades.

Mais recentemente, apesar dos protestos dos índios, vários povoados foram construídos por colonos na área, e os militares construíram um quartel ao lado da comunidade indígena de Uiramutã.

Em 1996, um grande grupo de fazendeiros invadiu a reserva Raposa Serra do Sol para plantar campos de arroz. Eles usaram grandes quantidades de pesticidas que vazaram para os rios e riachos utilizados pelos índios para tomar banho, cozinhar e beber água.

Na última década, eles recorreram a táticas parecidas a atos terroristas, destruindo propriedade indígena, ameaçando líderes e ateando fogo às escolas indígenas.

Desde a decisão do Supremo Tribunal em 2009, que reconhece Raposa Serra do Sol como um único território indígena, os produtores de arroz e pecuaristas abandonaram a região.

Hoje os povos indígenas de Raposa Serra do Sol vivem em paz na sua terra e estão desenvolvendo seus próprios projetos de educação e saúde.

Mobilize-se agora para ajudar Índios da Raposa Serra do Sol

Notícias sobre Índios da Raposa Serra do Sol

  1. Conselho Indígena de Roraima recebe o prêmio espanhol ‘Bartolomé de las Casas’ 17 outubro 2012