Funcionários brasileiros alertam sobre morte "iminente" de índios isolados

Avistamentos de índios isolados têm aumentado na região onde índios isolados foram fotografados e filmados do ar há quatro anos.

Avistamentos de índios isolados têm aumentado na região onde índios isolados foram fotografados e filmados do ar há quatro anos.
© G. Miranda/FUNAI/Survival

Funcionários brasileiros alertaram que índios isolados enfrentam uma “tragédia” e a “morte” iminentes, após um aumento dramático no número de avistamentos na floresta amazônica, perto da fronteira com o Peru.

Especialistas acreditam que os índios fugiram do Peru, em uma tentativa de escapar ondas de madeireiros ilegais que estão invadindo seu território. Agora eles estão entrando no território de outros grupos de indígenas isolados que já vivem no lado brasileiro – e algumas comunidades contactadas.

Índios Ashaninka do estado de Acre, por exemplo, dizem que recentemente encontraram dezenas de índios isolados perto de sua comunidade, e investigações recentes do governo têm revelado avistamentos mais frequentes de pegadas, acampamentos temporários e restos de comida deixados pelos índios.

Estes incidentes estão aumentando os temores de violentos confrontos entre os diversos grupos, e dizimação por doenças contagiosas às quais os índios isolados não têm imunidade.

José Carlos Meirelles, que monitorou esta região para a FUNAI (Fundação Nacional do Índio), durante mais de 20 anos, disse: “Alguma coisa grave deve ter acontecido. Não é normal um grupo deste tamanho de índios isolados se aproximar desta forma. Este é uma situação nova e preocupante e atualmente não sabemos o que causou isso.”

Os índios foram vistos na mesma região onde índios isolados foram notoriamente fotografados e filmados de um sobrevôo, há quatro anos. Mas a área carece de proteção desde que uma base do governo foi abandonada após ter sido invadida por traficantes de drogas e madeireiros ilegais em 2011.

Índios isolados apontando arcos e flechas na direção de um pequeno avião (fotografados em 2008)

Índios isolados apontando arcos e flechas na direção de um pequeno avião (fotografados em 2008)
© G. Miranda/FUNAI/Survival

Os índios isolados são umas das pessoas mais vulneráveis do planeta. Apesar de parecerem saudáveis, eles não têm imunidade a doenças comuns como a gripe e o sarampo, que têm dizimado tribos inteiras no passado.

A FUNAI investigou os relatórios alarmantes dos Ashaninka faz duas semanas. Advertiu que os índios isolados “estão na iminência de um contato” e exigiu que equipes de saúde sejam enviadas para a área urgentemente ou “há risco de contagio por doenças ainda não imunes, podendo levar à morte de todos.”

Raoni Metuktire, um líder indígena da Amazônia, que liderou a luta pela terra da tribo Kayapó e contra a destruição da Amazônia, disse durante sua recente visita à Europa, “Onde podem ir os índios isolados? Sem suas terras protegidas, eles vão morrer.”

Survival International, o movimento global pelos direitos dos povos indígenas, está instando que os governos do Brasil e Peru protejam todas as terras habitadas por índios isoladas e honrem sua promessa de melhorar a coordenação transfronteiriça para salvaguardar o seu bem-estar.

O diretor da Survival, Stephen Corry, disse hoje, “As fronteiras internacionais não existem para tribos isoladas, então o Peru e o Brasil devem trabalhar juntos para evitar que vidas sejam perdidas. Ao longo da história, povos isolados foram destruídos quando a sua terra foi invadida, e por isso é vital que o território desses índios seja devidamente protegida. Ambos os governos devem agir agora para que seus cidadãos isolados possam sobreviver.”

Notas para editores:

- Gravações de audio do relato de um dos Ashaninka que viu os índios isolados estão disponíveis; contate [email protected]
- Veja a nova página web da Survival para a Copa do Mundo sobre “O Lado Sombrio do Brasil” para exemplos do assalto do Brasil sobre os direitos indígenas.
- A Amazônia brasileira e peruana abrigam a maior concentração de tribos isoladas no mundo. A Diretora de Pesquisa da Survival, Fiona Watson, especialista mundial em tribos isoladas, está disponível para entrevistas.