Tribos rejeitam chamados para o contato forçado com povos isolados

O Brasil é lar para mais tribos isoladas do que qualquer outro país. Sabemos muito pouco sobre elas, mas elas enfrentam o risco de aniquilação, a não ser que seu direito de determinar seus próprios futuros seja respeitado.

O Brasil é lar para mais tribos isoladas do que qualquer outro país. Sabemos muito pouco sobre elas, mas elas enfrentam o risco de aniquilação, a não ser que seu direito de determinar seus próprios futuros seja respeitado.

© BBC/FUNAI/Survival

Tribos da América do Sul denunciaram os chamados de acadêmicos dos EUA, Kim Hill e Robert Walker para o contato forçado com povos indígenas isolados na Amazônia, advertindo sobre as consequências catastróficas que tal contato trazeria.

Falando em um vídeo, como parte do projeto Voz Indígena da Survival, indígenas Guajajara rejeitaram completamente a ideia. Diversos membros da tribo, conhecidos como “Guardiões Guajajara,” estão agindo para proteger os indígenas isolados Awá, que vivem próximos a eles, na ausência de um apoio maior do governo.

O líder dos Guardiões, Olímpio Guajajara, disse: “Nós estamos aqui… fazendo o monitoramento da terra em prol da defesa dos índios isolados e dos Guajajara que existem aqui dentro da nossa terra. Por que? Porque existem certas pessoas, ou antropólogos de qualquer país que vêm querer violar, mais uma vez, os direitos dos índios isolados no nosso país.”

Ele adicionou: “Nós estamos sabendo que alguns antropólogos querem fazer o contato controlado com os índios isolados… Nós não vamos permitir que isso aconteça, porque é mais um genocídio de um povo… de um grupo indígena que não quer o contato.”

Vídeo: Olímpio Guajajara critica propostas para o ‘contato controlado’ com tribos

Os Guajajara são uns dos indígenas mais recentes na América do Sul a rejeitarem essa ideia. Davi Kopenawa Yanomami, conhecido como o “Dalai Lama da Floresta” há tempos faz campanhas pelos direitos das tribos isoladas para determinar seus próprios futuros depois de testemunhar os impactos devastadores do contato em seu povo, os Yanomami, no século XX.

Os Guajajara denunciaram Hill e Walker em um vídeo gravado com o equipamento fornecido pela Survival como parte do projeto Voz Indígena.

Os Guajajara denunciaram Hill e Walker em um vídeo gravado com o equipamento fornecido pela Survival como parte do projeto Voz Indígena.

© Survival

De acordo com a Constituição Brasileira, todos os povos indígenas têm direito à terra, incluindo as tribos isoladas. Em 1987, a FUNAI adotou uma política de não contato com tribos isoladas e de continuar a demarcar seus territórios e garantir sua proteção.

Todas as tribos isoladas enfrentam uma catástrofe, a não ser que suas terras sejam protegidas.

A política de não forçar o contato com tribos isoladas é apoiada por ONGs brasileiras como CIMI, CTI, ISA e pela Survival International.

Tribos isoladas são os povos mais vulneráveis do planeta. Populações inteiras estão sendo dizimadas pela violência de estranhos que roubam suas terras e recursos, e por doenças como a gripe e o sarampo, às quais não têm resistência.

No mês passado, a campanha global da Survival para os Kawahiva, uma tribo isolada no Mato Grosso, triunfou em garantir um território protegido para a tribo.

Stephen Corry, diretor da Survival, disse: “Quando é que pessoas vão começar a escutar os povos indígenas sobre o que eles querem, ao invés de assumir saber o que é melhor? A atitude de alguns acadêmicos como Hill e Walker é perigosa e neocolonial. Esse chamado “contato controlado” pode ser devastador para povos isolados e só beneficiaria as máfias madeireiras e ruralistas da América do Sul, que querem roubar as terras dos indígenas e não se importam com os direitos humanos. São as tribos que devem determinar seu relacionamento com o resto do mundo, não acadêmicos.”